Sensemaking

Caros colegas de classe,
este é o primeiro post do grupo a respeito de Sensemaking, um tema bastante curioso e interessante. O tópico pode abrangir diversos estudos e realidades, porém iremos nos focar na realidade empresarial (organizações). Algumas palavras-chave que iremos ressaltar sempre nesta teoria são: sensemaking (entender - cognição), sensegiving (influenciar - ação), alinhamento estratégico, comunicação, sentido, entendimento comum, cultura organizacional, tornar comum, planejamento, objetivos (missão e visão).
O link a seguir leva a uma página da Wikipedia na qual vocês podem ter uma breve noção da definição do que seria o Sensemaking e porque é considerado algo tão relevante na cultura organizacional: http://en.wikipedia.org/wiki/Sensemaking
Nos próximos dias e semanas estaremos adicionando conteúdo específico e dinâmico, adaptado aos moldes da disciplina. Quaisquer dúvidas iniciais, não hesitem em nos contactar ou abrir um tópico na página "Discussion".
Curiosidade 1 --> Sensemaking é escrito como uma palavra só. Sense Making dá uma conotação diferente ao tema.

Sensemaking e Sensegiving

Para Goia & Chittipeddi, o processo de sensemaking é também composto por uma etapa que eles denominam de sensegiving. Para eles, esta separação é fundamental para entendermos os processos que instigam e gerenciam ações e mudanças dentro de uma organização.
O processo de sensemaking é composto por uma fase de diagnóstico e ambientação acerca de um assunto, que dentro da organização costuma ser algo relacionado a seus objetivos e sua estratégia. A partir desse momento de contextualização, inicia-se um processo de cristalização da visão que as pessoas tem da mesma, e nesta fase deve-se salientar a importância de tal imagem ser construída em torno da estratégia da mesma. O processo final é o de reflexão acerca do mesmo tópico, onde o levantamento de uma série de questões propiciará o entendimento do que se passa dentro da organização.
Porém, para que tal entendimento seja facilitado, é essencial que as mensagens desejadas sejam transmitidas da melhor forma. É ai que inicia-se o que os autores chamam de sensegiving: é a parte do processo onde a intenção é claramente criar uma interpretação viável da realidade para influenciar todos envolvidos no processo, de uma maneira que eles possam interpretar o que foi transmitido e incorporar o sentido para si mesmo.
processo_sensemaking_image.JPG
A criação deste sentido deve levar em consideração todos os stakeholders, ou seja, todos aqueles que são interessados ou afetados pelas suas ações, e deve ser flexibilizada para propiciar entendimento por parte dos mesmos.
Piramide_sensemaking.JPG

Sensemaking e alinhamento

O sensemaking pode ser utilizado para promover alinhamento dentro de uma organização. Este nada mais é do que um processo cíclico de gestão que procura estabelecer entendimentos e expectativas comuns em torno de aspectos gerais desta, como missão, visão, valores e estratégia. De acordo com o livro "Alinhamento", de Robert Kaplan, é preciso que haja sincronia e sintonia dentro de uma organização para que esta atinja seus objetivos com maior eficiência.
Tal alinhamento não deve se ater apenas ao ambiente interno da mesma. O processo de sensemaking se relaciona com todos os stakeholders de uma organização, pontanto é importante
alinhar a corporação, as unidades de negócio, as unidades de apoio e parceiros externos.
Seguindo esse raciocínio, as organização devem empenhar-se na busca constante de novas maneiras de tornar o todo mais valioso do que a soma das partes.


Links Interessantes:
  1. **Teses e Workshops** a respeito de sensemaking de diversas universidades americanas, entre as quais Stanford e a Universidade de Washington, e também de grandes empresas de destaque no mundo, entre as quais Google, Microsoft e IBM. Nestes artigos consegue-se ver, na prática, a utilização do sensemaking e ferramentas que derivam deste a fim de melhorar o processo de alinhamento dentro da empresa. Vale a pena dar uma olhada. Recomendamos os artigos da Google, da University of Washington e da UC Irvine.
----
Bibliografia:
Fonte: Gioia, D and Chittipeddi, K, 1991. Sensemaking and sensegiving in strategic change initiation. Strategic Manage J 12, pg. 433–448.




========================================================

Contribuição do Grupo 8


Sobre a curiosidade 1 postada pelo grupo, achamos mais algumas curiosidades.

Em seu livro “Great Minds in Management: The Process of Theory Development”, Ken G. Smith diz que usava a palavra sensemaking separada por hífen (sense-making) em 1979, mas que passou a usá-la como uma só palavra a partir de 1995.

Segundo ele, essa mudança foi feita, pois com o hífen, apesar de ser lida em conjunto como uma palavra composta, ainda existiam dois significados distintos – sense e making – e a relação entre as duas, que não era realmente clara.

Assim, a falta de clareza distraia a questão de como as pessoas agem em frente a muitos ou poucos significados e do alinhamento ou desalinhamento na organização, sentidos ligados ao sensemaking, para imaginar o porquê e o quando do sense e do making juntos.

Por Marcelo Kapel, Rafael Adegas e Thais Cascello.

======================================================================