Aula 5 – Gerindo Racionalidades: modernidade, pós-modernidade, imersão

1 Apresentação do tema


O texto tem como principal objetivo resgatar as contribuições de Max Weber, considerando-o como o mais importante pensador dentre aqueles que contribuíram com as primeiras teorias no campo de organizações e gestão. De fato, Clegg (2005) não considera Max Weber propriamente um teórico clássico em gestão e organização, mas principalmente um estudioso das culturas, praticante daquilo que hoje é denominado de “estudos culturais”. Ele foi um estudioso de sua cultura contemporânea, concentrando-se na subjetividade e na relação entre a cultura e a vida das pessoas. Tal ênfase não impediu que Weber fizesse as análises da genealogia histórica de seu tempo, destacando-se por ser um pesquisador engajado e comprometido com valores liberais e nacionais. Sobre tudo, deve-se destacar a contemporaneidade dos escritos de Weber. No capítulo, enfatizam-se dois conjuntos de idéias de origem weberiana relevantes para os estudos organizacionais: a noção de burocracia e os conceitos de racionalidade.

A noção de burocracia encontra-se diretamente relacionado com a idéia de racionalidade formal. Em outras palavras, a burocracia é a forma organizacional desse tipo de racionalidade, constituída de conhecimentos diferenciados e especialidades fragmentadas, com suas regras e disciplina, organizados hierarquicamente, tanto no sentido interpessoal (relações hierárquicas) como no sentido do seqüenciamento de atividades (seqüências paralelas de trabalho). É irrelevante, em grande parte, se a burocracia é pública ou privada. A noção de carreira é importante, mas a ascensão nela não significa desenvolvimento global. Especialidades e carreiras são diferenciadas. O texto apresenta breves aspectos da histórica da burocracia, suas fontes de autoridade, suas formas racionalidade e suas dimensões.

Os conceitos de racionalidade apresentados no capítulo são o da racionalidade técnica, instrumental ou formal (racionalidade da engenharia, da eficiência, meios-fins), racionalidade substantiva (orientada por valores absolutos, segundo Weber, proveniente do calvinismo), racionalidade afetiva, racionalidade tradicional, irracionalidades da racionalidade instrumental (irracionalidade substantiva de Weber), racionalidade limitada (relacionado ao processo decisório), racionalidade modernista (dominante), racionalidades (pluralidade de racionalidades), racionalidade singular (pós-moderna), racionalidade de curto-prazo, racionalidade de longo-prazo, racionalidade institucional.

Pode-se perguntar: por que tantas definições diferentes de racionalidade? Parece ser porque os autores desejam introduzir uma questão crítica em relação à idéia de uma racionalidade vista como dominante. Em outras palavras, num primeiro momento (o momento da burocracia) depara-se com uma racionalidade predominantemente instrumental e técnica. Noutro momento (o momento da imersão - embeddedness) o texto nos apresenta uma realidade que se caracteriza por mais de uma racionalidade, introduzindo a possibilidade de diversidade e pluralidade. Esse deslocamento está ilustrado com precisão no relato sobre os pães franceses que encerra o capítulo.

Para explicar a realidade plural e diversa, os autores evocam a teoria institucional e o pós-modernismo. A primeira é vista como a explicação mais plausível para a ampla proliferação da forma burocrática ocorrida, segundo essa visão, em decorrência do isomorfismo mimético. O pós-modernismo é apresentado como um conjunto teórico que defende a “incontrolabilidade” do significado e propõem como idéia central a substituição do conceito de racionalidades pelo conceito de racionalidade singular, ou seja, narrativa constituída de diferentes racionalidades (p. 60). Assim, a ciência é vista como uma narrativa possível ao lado de outras narrativas de mesma importância, como a história local e seus significados para os seus protagonistas.

A teoria do custo de transação e a teoria da agência estão presentes no relato sobre os pães franceses. Por exemplo, na página 78, afirma-se que o custo de transação dos pães franceses é alto. Pergunta-se: como o negócio dos pães franceses é possível? Há um diálogo entre a teoria institucional e a economia dos custos de transação para responder essa questão. Outro aspecto do relato diz respeito a como ocorrem as sucessões das pequenas padarias francesas. O texto mostra que a sucessão é realizada para alguém que foi aprendiz por 10 anos ou mais da própria padaria, pois é o único que conhece intimamente o negócio sendo capaz de manter o seu valor (a clientela). A questão da agência precisa ser abordada para se entender como um padeiro torna-se proprietário e um velho casal pode se aposentar por meio de um sistema de governança baseado principalmente em confiança mútua (destacando-se a confiança depositada pelo velho casal à jovem esposa do padeiro).

Clegg, Kornberger e Pitsis nos ajudam a compreender as particularidades do caso das boulangeries e da fabricação dos pães franceses, pois oferecem uma narrativa que, segundo os autores, evita o reducionismo da visão subsocializada da ação econômica oferecendo modelos e análises que conjugam a teoria institucional, o pós-modernismo e a noção de imersão social da ação econômica (embeddedness). Possibilitam, dessa forma, uma compreensão da institucionalização de valores e sua influência na ação das organizações desse ramo de atividade. Tal perspectiva permite focalizar as boulangeries como mecanismos econômicos culturalmente formatados e enraizados na estrutura social local.

Referências bibliográficas

2 Objetivos da aula


— Compreender as contribuições de Max Weber para o pensamento em gestão
— Constatar como as idéias de Weber influenciaram muitos debates subseqüentes
— Ser capaz de explicar que há diferentes formas de racionalidade
— Discutir racionalidades com base na teoria institucional e pós-modernismo
— Descrever como e porque a ação gerencial é imersa

3 Leitura obrigatória

CLEGG, S.; KORNBERGER, M.; PITSIS, T. Managing and organizations. An introduction to theory and practice. London, Thousand Oaks, New Delhi: Sage Publications, 2005, cap. 2.